Antologias são obras interessantes. Diferentes histórias, autores e equipes reunidos por um tema ou um por um universo conceitual. Já vimos como isso funciona em Flinch: horror e desespero e se não viu corre lá. Mas hoje, iremos falar sobre Love, Death + Robots, nova série da queridinha Netflix.

Composta por 18 curtas independentes, e com duração de no máximo 20 minutos, a série passeia pelos gêneros de ficção científica, fantasia, terror e comédia. Lançada no dia 15 de março de 2019, a antologia foi produzida por Joshua Donen, David Fincher (Clube da Luta, Seven), Jennifer Miller e Tim Miller (Deadpool) e possui uma história bem curiosa e que tem tudo haver com quadrinhos.

Métal Hurlant > Heavy Metal > Love Death + Robots

Quadrinhos, como? Então, inicialmente Love Death + Robots era para ser um reboot do filme Heavy Metal – Universo em Fantasia (1981). Para quem quer saber como que a ideia se transfigurou de um reboot até uma série do serviço de streaming norte-americano, eu recomendo que leiam essa matéria (em inglês) aqui da IGN.

Métal Hurlant capa 1 - De SegundaAgora para quem não conhece, Heavy Metal – Universo em Fantasia, é um clássico da década de 80 inspirado na mais clássica ainda HQ francesa Métal Hurlant. Lançada em 1974 pela editora Les Humanoïdes Associés, um coletivo que reunia Jean “Moebius” Giraud, Philippe Druillet, Jean-Pierre Dionnet e Bernard Farkas.

Sobre a Métal Hurlant, podemos dizer que ela foi uma das experiências mais subversivas, ousadas e importantes da nona arte. Foram de suas páginas que nasceram clássicos como Arzach (publicado pela editora Nemo) e Lone Sloane (publicado pelo pessoal do Pipoca e Nanquim), assim como Druuna e tantas outras experiências que ecoaram pela nona arte. Tanto que a HQ ganhou ramificações nos EUA, sob o título Heavy Metal, e posteriormente no Brasil, com o nome Metal Pesado. E a Heavy Metal continua sendo publicada até os dias de hoje e tem como editor o quadrinista Grant Morrison.

Futuro da série

Enfim, deu para sentir o peso do material onde os produtores foram se inspirar para criar Love Death + Robots. Mas a série vai ter uma segunda temporada? Vai ter algum spin-off? Por enquanto não temos respostas, mas o Tim Miller já se mostrou disposto a isso e a muito mais. E eu estou na torcida para que a Netflix não perca a oportunidade de trazer uma segunda temporada.

Mas e a série? É boa? Bem, como toda antologia ela possui altos e baixos, mas a utilização de alguns clichês e problemas na representação feminina tiram o brilho de alguns de seus episódios. O que espero muito que seja corrigido numa possível segunda temporada.

Agora quanto aos episódios, recupero a metáfora de Júlio Cortázar sobre um conto ganhar de nocaute, enquanto uma novela ganhar por pontos. Digo isto, pois todos os episódios contam com finais surpreendentes e tentam nocautear os espectadores. Uma curiosidade sobre a ordem de exibição deles, é que ela pode variar de usuário para usuário, conforme relatado pela própria Netflix.

E como aqui é o Recomendações de Segunda, não farei análises detalhadas dos episódios, mas não posso deixar de apontar que a série possui problemas quanto a representação feminina. Muito fanservice desnecessário e utilização de clichês

Love Death + Robots – Lista de episódios

E vamos a eles! E podem se despreocupar que não entregarei spoilers.  tentarei apresentá-los de forma breve com uma ou outra opinião. Só que não posso

A Vantagem de Sonnie

Ficha Técnica:
Este episódio foi dirigido pelo diretor Dave Wilson, com roteiro de Philip Gelatt, animado pelo Blur Studio e foi baseado em um conto de Peter F. Hamilton.

Com uma pegada cyberpunk, acompanhamos Sonnie e sua equipe em uma rinha de monstros. Após recusar a oferta de um magnata do crime, para perder a luta, vemos que nem toda luta termina no ringue. Lembra quando eu disse dos problemas entorno da figura feminina? Então esse episódio sofre um bocado com isso.

Três Robôs

Ficha Técnica:
Animado pelo Blow Studio, tem direção de Victor Maldonado & Alfredo Torres, roteiro de Philip Gelatt e baseado no texto de John Scalzi.

Após uma hecatombe a raça humana foi extinta e nossas cidades se tornaram pontos turísticos para aqueles que herdaram a Terra: nossos amigos robôs. E é isso que iremos ver neste curta, três robôs visitando uma destas cidades. É talvez um dos curtas mais engraçados de Love, Death + Robots.

Divulgação Netflix: Três Robos

A Testemunha

Ficha Técnica:
Dirigido e escrito por Alberto Mielgo e animado pelo estúdio Pinkman.TV.

Uma espiada pela janela pode mudar o seu destino e após testemunhar um assassinato, uma dançarina corre pela cidade para tentar escapar do assassino. O episódio tem um visual muito bacana e um plot-twist interessante. Apesar disso possui algumas cenas mais questionáveis, afinal de contas quem nunca correu pelado pela cidade né? (ironia on aqui galera). Fanservice desnecessário e que não contribui em nada para o episódio.

Proteção contra Alienígenas

Ficha Técnica:
Inspirado no texto de Steven Lewis, dirigido por Franck Balson, adaptado por Philip Gelatt e feito pelo Blur Studio.

Uma pequena comunidade rural é atacada por estranhos alienígenas insetóides. Uma aventura com explosões, mechs e uma reviravolta curiosa.

Sugador de Almas

Ficha Técnica:
Dirigido por Owen Sullivan, escrito por Philip Gelatt, animado Studio La Cachette e adaptando o texto de Kirsten Cross.

Despertado por uma expedição arqueológica, um antigo vampiro enfrenta uma equipe de mercenários, gatos e um arqueólogo. Outro episódio focado na comédia e com um visual muito bacana.

Sugador de Almas - Love Death + Robots - De Segunda
Divulgação Netflix: Sugador de Almas

Quando o Iogurte Assumiu o Controle

Ficha Técnica:
Direção de Victor Maldonado e Alfredo Torres, com roteiro de Janis Robertson, adaptando o texto de John Scalzi e animado pelo Blow Studio.

Um iogurte, criado por uma equipe de cientistas, desenvolve consciência e toma controle da Terra, fazendo com que a humanidade alcance o ápice de seu desenvolvimento.

Para Além da Fenda de Áquila

Ficha Técnica:
Com direção de Léon Bérelle, Dominique Boidin, Rémi Kozyra e Maxime Luère. Roteiro de Philip Gelatt baseado no texto de Alastair Reynolds e animado pelo estúdio Unit Image.

Após acordar desorientado, o capitão de uma nave descobre que sua rota foi alterada e que ele e sua tripulação se encontram a anos luz de seu destino. Perdidos, são resgatados por Greta, um antiga companheiro do capitão, mas ele desconfia que algo está errado. Um dos mais impactantes da série e totalmente produzido em CGI, o episódio é um ponto fora da curva na antologia.

A fenda de Áquila - Love Death + Robots - De Segunda
Divulgação Netflix: A fenda de Áquila

Boa Caçada

Ficha Técnica:
Animado pela Red Dog Culture House, dirigido por por Oliver Thomas, com roteiro de Philip Gelatt e adaptando o texto de Ken Liu.

Steampunk e magia se confundem em uma Hong Kong do início do século 20. Sob o jugo da colonização inglesa, acompanhamos a relação entre o jovem mecânico e inventor Yan e a metamorfa Liang ao longo dos anos. Outro episódio muito interessante da série e com uma estética sensacional. Mesmo assim, a figura de Liang também tem algumas das mesmas problemáticas apontadas anteriormente.

O Lixão

Ficha Técnica:
Dirigido por Javier Recio Gracia com roteiro adaptado por Philip Gelatt, inspirado no texto de Joe Lansdale e animado pelo estúdio Able & Baker.

O que se acontece no lixão, fica no lixão. Ainda mais quando um agente da Prefeitura vem com uma ordem de despejo. Não tenho muito a dizer sobre sem entregar demais a história.

Metamorfos

Ficha Técnica:
Dirigido por Gabriele Pennacchioli, roteiro de Philip Gelatt adaptando texto de Marko Kloos e animado pelo Blur Studio.

Um curto sobre a guerra no Afeganistão, lobisomens e o mariners do exército dos EUA. Apesar do CGI bem feito, o episódio não tem nada demais e pode ser considerado como um dos mais fracos de Love Death + Robots.

Ajudinha

Ficha Técnica:
Direção de Jon Yeo, roteiro de Philip Gelatt, inspirado no texto de Claudine Griggs e com animação do estúdio Axis Studios.

Uma astronauta sofre um acidente em sua caminhada orbital e medidas extremas terão que serem tomadas. Com um CGI de cair o queixo e um roteiro denso é definitivamente o episódio mais tenso da antologia. Um suspense de roer as unhas.

Noite de Pescaria

Ficha Técnica:
Animado pelo Platige Image Studio, dirigido por Damian Nenow, escrito por Philip Gelatt e adaptado do texto de Joe Lansdale.

Dois vendedores ambulantes ficam presos no meio do deserto após seu carro quebrar. Com a chegada da noite, estranhas visões do passado surgem para encantar e aterrorizar. Outro episódio bastante bonito e com um roteiro mais simples.

Noite de Pescaria - Love Death Robots + - De Segunda
Divulgação Netflix: Noite de Pescaria

13, Número da Sorte

Ficha Técnica:
Direção de Jerome Chen, roteiro de Philip Gelatt, baseado no texto de Marko Kloos e animado pelo Sony Pictures Imageworks.

Ninguém quer voar na número 13. Com fama de azarada, após perder duas tripulações, a nave agora é pilotada pela talentosa tenente Colby “Cutter” que busca vencer toda a superstição com a número 13. Love Death + Robots possui uma série de episódios simples, mas eficazes e este é mais um deles. Mas com um adendo existe ou não um fantasma na máquina?

Zima Blue

Ficha Técnica:
Dirigido por Robert Valley, roteiro de Philip Gelatt, adaptação do texto Alastair Reynolds e criado pelo Passion Animation Studios.

Um artista recluso a 100 anos decide dar uma entrevista antes de sua última apresentação. Um episódio visualmente lindo e com um roteiro mais contemplativo, Zima Blue é um dos melhores de Love Death + Robots

Zima Blue - Love Death + Robots - De Segunda
Divulgação Netflix: Zima Blue

Ponto Cego

Ficha Técnica:
Escrito e dirigido por Vitaliy Shushko e criado pelo estúdio Elena Volk.

Um grupo de mercenários tem que invadir e roubar um microchip de um trem blindado. Mas para isso terão que passar pela guarda. Uma releitura cyberpunk de um dos clichês dos filmes de velho-oeste. Animação competente e um episódio focado na aventura.

Era do Gelo

Ficha Técnica:
Direção de Tim Miller, escrito por Philip Gelatt e Michael Swanwick, feito pelos estúdios Digic Pictures, Blur Studio e Atomic Fiction.

Após se mudarem para seu novo apartamento, um casal descobre uma civilização escondida em seu freezer. A cada minuto a civilização avança séculos no futuro e vemos o nosso futuro? Ponto fora da curva da antologia, o episódio é um live-action bem interessante e com uma pegada voltada para a comédia.

Era do Gelo - Love Death + Robots - De Segunda
Divulgação Netflix: Era do Gelo

Histórias Alternativas

Ficha Técnica:
Direção de Victor Maldonado e Alfredo Torres. Roteiro de Philip Gelatt adaptando o texto de John Scalzi. Feito pelo Sun Creature Studio.

Conheça o Multiversidade. O seu aplicativo de histórias alternativas. Sabe quando você pergunta: “E se Hitler tivesse morrido?” a resposta está aqui. Mais um episódio com uma premissa bem simples, mas que vale pelo nonsense e pela comédia.

A Guerra Secreta

Ficha Técnica:
Dirigido por István Zorkóczy. Roteiro de Philip Gelatt adaptando o texto de David W. Amendola. Criado pelo Digic Pictures.

Um pelotão do exército vermelho enfrenta, na década de 20, estranhos demônios após a revolução russa. Outro episódio focado na aventura e que cumpre bem o seu papel.

Pronto. Concluímos a lista de episódio de Love Death + Robots. E meu veredito final é que a série é boa e que vale a pena tirar uns minutinhos para acompanhá-la. E para quem assistiu, qual episódio vocês gostaram mais? Comenta aí embaixo.

 

Compartilhe

Autor: Thiago de Oliveira

Há mais de duas décadas lendo e colecionando quadrinhos. Tem mais da metade do que gostaria e menos do dobro do que queria ter. Não dispensa um pão de queijo, um café e uma cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *