Vez ou outra pequenos ecos sombrios emergem do algoritmo que comanda a Netflix. Recompensas dos inúmeros dados que sacrificamos em nome da comodidade de termos uma lista de recomendações. E depois de assistir Love, Death + Robots, surgiu algo de cores neon, com traços lúgubres e narrada em espanhol. E bem, não tinha como não prestar atenção em A Frequência Kirlian.

Ela ficou lá piscando em minha lista de recomendações por alguns dias. Outra série antológica. Episódios com diferentes narrativas ligados por um mesmo tema dessa vez: os horrores da cidade de Kirlian. E este final de semana decidi aceitar o convite dessa estranha figura do locutor que me encarava.

Trajetória

Lançada em 2017 como uma websérie no Youtube e no Vimeo, a animação argentina A Frequência Kirlian chegou ao Netflix no mês de Fevereiro deste ano. Mas antes disso, a série percorreu um longo percurso até chegar ao serviço de streaming norte-americano.

Criada em 2009, de maneira independente e com atores reais, por Cristian Ponce para a produtora Tangram Cine. Nesses oito anos, a série tomou vários formatos e tentou a sorte em vários editais argentinos e internacionais, se apresentando como série de televisão e até mesmo filme. E somente em 2015 tornou-se uma série animada e com uma equipe definida. Para se ter uma ideia dessa jornada até o formato final, recomendo lerem essa entrevista, em espanhol, aqui.

E o que é A Frequência de Kirlian?

A Frequência de Kirlian - De Segunda
Divulgação: Netflix

Na série, acompanhamos o programa noturno da rádio local, a LFK 96,6, e seu estranho locutor que ora narra e ora dá espaço aos seus ouvintes para que contêm os tenebrosos acontecimentos ocorridos na cidade. E Kirlian é a protagonista dos 5 episódios dessa primeira temporada. Com duração máxima de 10 minutos, cada episódio mostra uma diferente faceta sombria da pequena cidade.

Com uma narrativa ágil e com boas doses de reviravoltas, a série entrega um universo habitado por lobisomens, vampiros, fantasmas, horrores cósmicos e tudo aquilo que um fã de terror e mistério merece. Aliás, referência é o que não falta em A Frequência de Kirlian para fazer a alegria dos mais aficionados.

A começar pela sua própria estrutura e seus elementos. A presença de um locutor, que interliga e narra seus episódios, e seu formato de antologia nos remetem diretamente a série de tv Além da Imaginação e as hq’s da Warren Publishing: a Creepy e a Eerie. Mas são nos episódios onde essas referências brilham com todo o seu esplendor. Cada um deles possui um ou outro elemento que homenageia um filme, um autor, um livro ou tudo isso ao mesmo tempo, como acontece em seu penúltimo episódio. Sem contar que ainda sobra espaço para homenagear uma, até então, desconhecida publicação argentina do gênero a El Péndulo.

A Estética de A Frequência de Kirlian

Além dos roteiros inspirados e das referências, a série possui uma estética muito peculiar e que merece uma salva de palmas. Os personagens são sombras fantasmagóricas que se locomovem em paisagens de neon. Você consegue captar um detalhe aqui, outro ali do que são esses personagens, mas nada é explicado, o que torna tudo ainda mais estranho e misterioso. E por que disso? Bem, a dica tá no próprio nome da série.

Kirlian é um método de fotograma descoberto por Semyon Kirlian em 1939. Este método consiste no ato de fotografar um objeto, orgânico ou não, com uma chapa fotográfica submetida a campos elétricos de alta-voltagem e alta-frequência, mas de baixa intensidade de corrente. O resultado é o surgimento de uma aura entorno do objeto, o que consequentemente levou a popularização da fotografia de Kirlian como uma forma de se ver as auras das pessoas. Então, o que estamos vendo na tela são as auras dos moradores da pequena e assombrosa cidade de Kirlian.

Além disso, os traços e as cores utilizadas me fizeram lembrar do clipe de Go With The Flow da banda Queens Of The Stone Age. O que me dizem?

Os episódios de  A Frequência de Kirlian

O país de Abril

Em um confronto direto, o locutor interpela um agrimensor que ameaça expor a cidade ao mundo. Mas este forasteiro tem os seus próprios mistérios.

“Todo mundo conhece Kirlian. Todo mundo tem um primo ou um conhecido que mora em Kirlian, mas ninguém sabe exatamente como chegar.”

  • Episódio focado no suspense;
  • Introduz de forma eficiente o universo ao qual vamos submergir;
  • Falar sobre as referências é entregar o final, então não.

Mestres da noite

A Frequência de Kirlian - De Segunda
Divulgação: Netflix

Após seu carro quebrar, uma viajante é obrigada a passar a noite em Kirlian. E nessa noite, ela terá que decidir se vai lutar ou sucumbir às sombrias forças que atuam na cidade.

“Em Kirlian a polícia não trabalha de noite.”

  • Os Garotos Perdidos encontram o calor latino;
  • Episódio que trabalha muito bem a temática dos nossos queridos sugadores de sangue;
  • De longe o mais tenso da série.

Uma nova cor

Um conflito de gerações abala a pequena cidade de Kirlian. Mas há antigas tradições que não podem ser apagadas, nem com o fogo.

“Esta cidade se aproxima cada vez mais do abismo”

  • Outra homenagem cinematográfica, mas desta vez é A Convenção das Bruxas é que é elevada a nona potência do horror.

O Rei do Natal

Com o fim do mundo se aproximando, o locutor tenta ter uma tranquila noite de Natal em Abril. Só que uma estranha ligação pode colocar tudo fora dos eixos.

O rei do Natal - Kirlian
Divulgação: Netflix

“Natal em Abril, porque provavelmente não vamos chegar a Maio.”

  • O melhor episódio da série;
  • Uma grande homenagem a Stephen King e sua obra;
    O episódio que conta com uma estética que destoa do restante, mas que não deixa de ser estranha, mas também engraçada.
  • Um habitante cósmico dá o ar de sua graça.

Um velho e seu cão

Uma tranquila vizinhança em Kirlian torna-se um pesadelo com a chegada de um cão. Mas o mal, que se esconde pela cidade, nem sempre é esta a mostra.

“Tem duas Kirlian lá fora e ninguém pode fazer nada contra uma delas…”

  • Segundo melhor episódio da série;
  • Um suspense de tirar o chapéu.

Segunda Temporada?

A série termina como começou: em um tom misterioso, sombrio, onde o perigo pode vir de todos os lugares. Então caso você esteja de bobeira e procurando por uma série no Netflix, dê uma chance A Frequência de Kirilian. E antes que eu me esqueça, ainda não há notícias sobre uma segunda temporada, então basta torcer pelo sucesso de nossos sombrios hermanos.

Compartilhe

Autor: Thiago de Oliveira

Há mais de duas décadas lendo e colecionando quadrinhos. Tem mais da metade do que gostaria e menos do dobro do que queria ter. Não dispensa um pão de queijo, um café e uma cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *