Pablito Aguiar – um cronista das ruas

Vou pedir licença para começar o texto com uma citação do historiador Luiz Antonio Simas: “As ruas são como arquivos, verdadeiras bibliotecas da história que pesquiso, escrevo e pela qual sou apaixonado”. Essa história da qual ele está falando é aquela miúda, que corre solta pelas cidades longe dos grandes centros e mausoléus do poder, bastando apenas ouvidos e olhos que possam captá-las. E é o que o jornalista-quadrinista Pablito Aguiar faz com maestria em sua série de entrevistas em quadrinhos.

Pablito Aguiar | De Segunda blog
Arte de: Pablito Aguiar

Me deparei por acaso com o seu trabalho em um retweet com a chamada para a história do Deraldo Rocha da Silveira, pescador artesanal do bairro Lami, em Porto Alegre. Ao terminar de ler, fui parar no seu Instagram, depois no seu site e o resto é história.

Tendo como pano de fundo a cidade de Alvorada, cidade da região metropolitana de Porto Alegre e onde o quadrinista reside, as HQs apresentam aquilo que a cidade tem de melhor: as suas pessoas, suas histórias, suas pequenas e grandes vitórias. E tudo isso com um lindo traço cartunesco e uma sensibilidade ímpar. O que consequentemente, produz um efeito duplo:

  • torna seus conterrâneos sujeitos em suas próprias histórias e,
  • coloca o leitor para dentro delas, fazendo com que a gente se sinta muito próximos dessas pessoas.

Alvorada em Quadrinhos

Pablito Aguiar | De Segunda blog
Arte de: Pablito Aguiar

Este seu trabalho jornalístico, de escovar a história a contrapelo e esquadrinhar o miúdo, na web é uma continuação direta da HQ Alvorada em Quadrinhos, publicada em 2017 e premiada pelo 25º Salão Internacional de Desenho para Imprensa (Sidi). A HQ reúne a história de 23 moradores da cidade e algumas das histórias podem ser lidas em seu site juntamente com essa nova leva de relatos dos moradores da cidade. Aliás, em seu site é possível ver outras de suas publicações, assim como adquiri-las.

Mas seja na história do seu Deraldo, na do Betinho (porteiro do prédio mais alto de Porto Alegre – o Santa Cruz), da recicladora Rita, do dono de banca de jornal o seu Bento e em todas as outras, o que mais me chamou a atenção foi a leveza com que o quadrinista transforma essas histórias, que para muitos podem parecer pequeninas, em relatos cheios de potência de vida e que nos lembram que são nas ruas e nas pessoas que a nossa verdadeira história ocorre.

Então vão lá seguir o Pablito Aguiar no Twitter, no Instagram para acompanharem o trabalho desse quadrinista sensacional e para aqueles que quiserem saber um pouco mais sobre a sua trajetória eu recomendo que ouçam o HQ sem roteiro onde é o jornalista que se torna o personagem principal numa entrevista para lá de boa.

Compartilhe

Autor: Thiago de Oliveira

Há mais de duas décadas lendo e colecionando quadrinhos. Tem mais da metade do que gostaria e menos do dobro do que queria ter. Não dispensa um pão de queijo, um café e uma cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *