Ficha Técnica

Batman: A Maldição do Cavaleiro Branco 6 capa
Capa de: Sean Murphy

Batman: A Maldição do Cavaleiro Branco 6
Autores: Sean Murphy (roteiro e arte), Matt Hollingsworth (cores)
Preço:R$ 9,90
Editora: Panini / DC (Black Label)
Publicação: Julho / 2020
Número de páginas: 32
Tradução: Mateus Ornellas
Formato: Americano (17 cm. x 26 cm.) Colorido / Lombada com grampos Quadrada / Capa cartão
Gênero: Super-heróis

Sinopse: Após os trágicos eventos ocorridos em Gotham City a batfamília e a cidade buscam se reestruturar. E para isso é preciso mergulhar no passado da cidade e no mistério que envolve a família Wayne.

***

Entrada

Depois de um hiato, finalmente retomamos aos eventos da minissérie principal. E em Batman: A Maldição do Cavaleiro Branco 6 o que temos é um platô, um espaço para respirarmos antes de submergirmos na tempestade. Uma fórmula já utilizada na minissérie pregressa do roteirista e que retorna para nos prepararmos para as doses cavalares de ação nos próximos capítulos finais. 

Não à toa que personagens são removidos, novos fragmentos do passado são revelados e outros se desdobram para funcionar como ganchos para as últimas edições. Tudo de forma a nos manter nas ponta da cadeira enquanto as peças continuam a se movimentar em direção ao gran-finale. Tanto que é possível dividir esta edição em dois eixos: 

  • O passado de Gotham;
  • A jogada de Azrael.

Porém, antes de concentrar-se nos movimentos decisivos desta partida de xadrez entre o Batman, o Coringa e Azrael, Murphy inicia a HQ com o velório do Comissário Gordon. E o mais interessante aqui nestas duas páginas dedicadas a Jim é o uso da televisão para recuperar os eventos ocorridos e criar o clima de tensão que se abate sobre a cidade. Um recurso que nos faz lembrar de um outro clássico – Batman – Cavaleiro das Trevas.

Contudo este não é a única história referenciada neste sexto volume como ficará mais claro adiante.

O passado de Gotham

Faltando ao velório do amigo, Batman vai a procura de pistas no reservatório de Gotham e em suas águas ele encontra a peça que faltava na intrincada relação entre os Waynes e os Valleys.

Relação está baseada em sobre poder, intriga, traição e dinheiro. Um início nada digno para a fortuna e influência da família e que explica não só a geografia da cidade como a fúria de Azrael, já que nos primórdios seu ancestral foi brutalmente traído e assassinado. 

Arte de: Sean Murphy

Porém o crédito destas descobertas não é de Batman, mas sim da pista entregue por  Jack Napier. E com isso ficamos sabendo que há uma batalha ocorrendo entre o palhaço do crime e o ex-vereador para saber qual das personalidades irá se tornar a dominante. 

Com o intuito de ajudar Napier a derrotar o Coringa, Batman e Harley se unem mais uma vez em um arriscado plano: um encontro entre ela, os gêmeos e o arlequim do ódio. E deste encontro teremos o grande mistério que ronda os Waynes se desdobrar, mesmo que não esclarecido neste volume. Um gancho que promete para as próximas edições. 

A jogada de Azrael

Em uma edição recheada de informações e diálogos sobre o passado e revelações sobre os personagens, a ação fica por conta do anjo da morte e o seu desejo de limpar Gotham.

Graças ao comissário a OTG finalmente descobre a identidade de Azrael e seus comparsas, assim como o passado militar de todos eles. O que por sua vez acaba fundindo a história de Jean Paul-Valley a uma outra versão do personagem, a de Michael Lane, que possuía um passado militar no Iraque. 

Mas Murphy tem outros planos para o personagem e em Batman: A Maldição do Cavaleiro Branco 6 temos o roteirista referenciando e brincando com um outro grande arco do Batman: A Queda do Morcego. 

Em uma tensa reunião entre Azrael e Ruth,a representante da Elite expõe suas queixas quanto a performance de Jean-Paul na eliminação e substituição do Batman. Em outras palavras, o anjo vingador será sumariamente cortado da folha de pagamento e substituído por Bane. O que gera uma rápida e intensa batalha que reproduz a clássica cena: “Eu vou quebrar você”.

Entretanto o melhor está para o final e Murphy é brutal. Com uma sequência de cair o queixo ele termina a HQ de forma chocante e completamente inesperada. Mas sem fazer com o que Azrael perca as suas características dentro da trama. Em outras palavras, o choque não é apenas pelo choque, mas faz parte dos planos do personagem para o futuro da cidade de Gotham.

Conclusão

Como dissemos no início do texto Batman: A Maldição do Cavaleiro Branco 6 é um turbulento pit-stop antes do desfecho da trama. Mesmo que mais lento Murphy continua a conduzir a trama com mão firme e podemos esperar uma épica conclusão. 

Nota: 4 de 5. 

Compartilhe

Autor: Thiago de Oliveira

Há mais de duas décadas lendo e colecionando quadrinhos. Tem mais da metade do que gostaria e menos do dobro do que queria ter. Não dispensa um pão de queijo, um café e uma cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *