Ficha Técnica

Penadinho: Lar Review | De Segunda
Capa de: Paulo Crumbim e Cristina Eiko

Penadinho: Lar
Autores: Paulo Crumbim (arte e roteiro) e Cristina Eiko (arte e roteiro)
Preço: R$34,90
Editora: Panini Brasil / Mauricio de Souza Editora – Graphic MSP
Publicação: Julho/2020
Número de páginas: 96
Formato: Americano (19 X 27,5 cm.) Colorida / Lombada Quadrada / Capa cartão
Gênero: Aventura
Sinopse: Com a Dona Morte ocupada por conta do trabalho, cabe a Penadinho e sua turma tomarem conta de seu escritório. O que era para ser apenas um serviço burocrático se torna uma aventura em um prédio que deveria estar abandonado… E entre encontros e escolhas, uma história sobre se ter um lar. 

***

Sabem aquelas HQs gostosas de se ler? Aquelas que te pegam e vão colocando um sorriso no rosto e ao final você termina com um baita gibi em mãos? Foi exatamente assim que eu me senti após ler Penadinho: Lar.

Vigésimo sétimo filho do projeto Graphic MSP, parceria da Panini com a Maurício de Souza Produções, o quadrinho é uma continuação direta de Penadinho: Vida publicada em 2015. E traz a mesma equipe do volume anterior o casal Paulo Crumbim e Cristina Eiko.

E este retorno é mais que fortuito, pois traz o casal ainda mais a vontade com os personagens e partindo de um enredo inédito. Pois, como ficamos sabendo nos extras, a sua primeira participação nas Graphic MSP partia de uma pauta pré-definida. 

De um roteiro poderoso

Graças a essa liberdade, o roteiro aborda um dos principais problemas dos grandes centros urbanos brasileiros: a falta de moradia. Além de referenciar uma das grandes tragédias ocorridas na cidade de São Paulo: o incêndio e desmoronamento do Edifício Wilton Paes de Almeida ocorrido em 2018. Contudo, mesmo tendo este pano de fundo, o resultado é uma HQ de sensibilidade ímpar.

É quase como se estivéssemos acompanhando um filme da Pixar onde determinados elementos são mais facilmente entendidos por adultos, mas  que não afasta os leitores mais jovens. 

Se passando em São Paulo, acompanhamos Penadinho e sua turma em uma missão de busca e salvamento. Tendo que encontrar três pestinhas endemoniados e lidar com os problemas causados por eles, o grupo acaba indo parar no escritório da Dona Morte em um prédio abandonado. Entretanto, a medida em que o grupo se espalha, ficamos sabendo que não é bem por aí e que o prédio na verdade é uma ocupação. E aqui, é o Lobi, o lobisomem, quem rouba toda a cena. 

Lobi

Arte de: Paulo Crumbim e Cristina Eiko

Não que os outros personagens não tenham os seus momentos, o roteiro é extremamente feliz dando espaço a todos do grupo. Mas por possuir uma aparência humana, Lobi acaba sendo o eixo de ligação entre os moradores da ocupação e a turminha. Além de servir como ponto para a discussão acerca do respeito e responsabilidade para com o próximo. 

Sem contar que neste primeiro momento, sua exploração pelo prédio gera  momentos hilários com Benita, mãe de um dos garotos, Frank e os garotos da ocupação. E comédia é outro elemento bem marcante em Penadinho: Lar, então você pode se preparar para rir não só com o Lobi, mas em vários outros momentos. 

Outro tópico bem interessante da HQ é a utilização do pixo ou pichação. Presente em diversos momentos, as pichações funcionam como pequenos easter eggs que referenciam vários pixadores de São Paulo, rappers e outros elementos da cultura Hip Hop. Aproximando assim a narrativa ainda mais de nossa realidade citadina ao mesmo tempo em que estreita laços com a periferia. 

Falando em easter eggs, temos a participação de alguns outros personagens do universo Graphic MSP como a repórter Tina, que atua cobrindo o incidente, e Jeremias e sua família numa rápida aparição. 

Para se comer com os olhos

Aliado a um roteiro incrível, Penadinho: Lar também conta com uma arte magnífica que presenteia quem lê a HQ com com paleta de cores estonteante, personagens carismáticos e uma São Paulo cheia de vida. Sem contar que as piadas visuais feitas por Eiko contribuem e muito para o ritmo da história. 

Usando um recurso mais comumente encontrado em mangás, Eiko desenha os personagens de forma mais caricatural elevando o tom cômico das cenas e entregando risadas certeiras.

Arte de: Paulo Crumbim e Cristina Eiko

Todos esses detalhes tornam a experiência enriquecedora, mas é a forma como a turma e os demais personagens são desenhados que torna a HQ tão especial. Cada um ali possui algo que o torna único e extremamente carismático. Seja na luz que Penadinho e Alminha emitem, na mansidão que Frank transparece, no jeito arteiro dos meninos Fabinho, Cauã e Tikão. Eu poderia passar algumas linhas descrevendo as qualidades e maneiros dos personagens, mas seria estragar a surpresa. 

Conclusão

Penadinho: Lar é mais um acerto do selo Graphic MSP e uma HQ com todas as qualidades para se estar em qualquer coleção ou para quem está iniciando a sua caminhada pela Nona Arte. E esperamos que assim como o Astronauta, que a Turma do Penadinho tenha uma vida longa. Os quadrinhos brasileiros merecem produções como essa. 

Nota: 5 de 5

Compartilhe

Autor: Thiago de Oliveira

Há mais de duas décadas lendo e colecionando quadrinhos. Tem mais da metade do que gostaria e menos do dobro do que queria ter. Não dispensa um pão de queijo, um café e uma cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *